Diga Espelho Meu…

  • by

Ô abre alas que é Carnaval.

O maior show da Terra. Há quem não suporte. Muita gente, muita confusão.  As pessoas são contaminadas pela euforia. Em todos os lugares existe fila. A cidade fica cheia. É um aperto só.

É também a época do ano mais democrática. Tudo pode. É um grande banquete à nossa disposição. Diversão para todas as escolhas e para muito além dos quatro dias de feriadão. E como diriam alguns amigos meus, é tempo de se jogar!

Para quem não gosta de samba, existe axé, rock, funk, frevo, dança circular, e  até para os mais radicais, tem a vibe da meditação, das trilhas a pé , do retiro na natureza para recarregar as baterias. Enfim, são infinitas as possibilidades de ser feliz.

Caminhar pelas ruas do Rio de Janeiro é um convite aos sorrisos, mesmo para aqueles que não curtem aglomeração e samba. Os blocos de rua aos poucos vão conquistando os mais sisudos, os mal-humorados de carteirinha, e também os que estão apenas passeando pela redondeza. Aos poucos os camarotes vão sendo improvisados nas varandas, nos playgrounds dos apartamentos e nas calçadas das casas. De manhã ou a tarde é a hora da criançada com  família. O importante é se divertir, mas  para alguns, com segurança e com um pouquinho mais de conforto.

Quanto riso, oh quanta alegria! A criatividade das fantasias desfilam durante todo o dia com certa desarmonia, mas também com muita irreverência na passarela do carnaval de rua. A imprensa adora, a bateria dá aquela paradinha, já que o calor se encarrega de esquentar a todos!

Não é tarefa fácil ser bom um folião! Tem quem estar preparado e ter disposição! Beber muita água! Eu adoro o carnaval, embora já tenha sido doente a ponto de chorar por não poder brincar! Verdade! Eu sou dá época em que comprávamos o disco das escolas de samba para aprender todos os sambas até o carnaval.  Eu amo dançar! Acho um barato me fantasiar! Gosto dessa energia! É como voltar a ser criança, você pode  dar asas a sua imaginação, e curtir  muito a brincadeira com o bônus da companhia dos amigos ou da família. Entretanto como diz a música é preciso saber viver até no carnaval!

Voto pelo credenciamento no carnaval tradicional, àquele que tem o espírito romântico e inteligente das marchinhas, àquele sonha em ser campeão e  que ressalta  no coração a alegria, a garra e a beleza, àquele que a sua melhor fantasia é apenas brincar. Infelizmente esse também é um período de toda sorte de abusos na alimentação, nas drogas lícitas e ilícitas, na azaração. Existe muita gente que coloca literalmente os demônios para fora com atitudes de violência e desrespeito.

Será que para curtir o carnaval é preciso perder a noção da realidade, se colocar em risco, ou se sujeitar a qualquer coisa? Como será que agimos quando ficamos sóbrios dessa louca euforia? Será que não estamos perdendo a nós mesmos? Quais são as máscaras que estamos usando no nosso dia a dia? Nas nossas vidas, será que somos verdadeiros, ou estamos fazendo as coisas no automático, ou somente para agradar e não contrariar a maioria?

Sabe, acredito que podemos sair da zona de conforto e parar de seguir as massas com originalidade e com a força da nossa vontade. Vamos celebrar a vida com prazer e bem-estar curtindo cada um o seu carnaval com mais ânimo e com mais consciência. Assim, quem sabe na quarta-feira de cinzas, a tristeza nem pode pensar em chegar…

E o espelho me disse: “A alegria é a felicidade que vem de dentro” (Osho).

Mônica Dias Zen

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.